Análise: Boruto poderá ser o vilão? – Feat Fred Oliveira

EITA BORUTO EXPLORER! ENLOUQUECERAM? COMO ASSIM??? Muita calma nessa hora queridos seguidores! Chegamos aqui sim, polemizando mas como toda polêmica tem um fundo de verdade, vamos pontuar alguns nichos que o nosso amigo, Fred Oliveira do canal Anime Whatever trouxe à tona! Então, segurem as críticas, liguem o modo atenção plena e de modo saudável, embarque nessa aventura e texto que, sem sombra de dúvidas irá causar muito e repercutir pela net, então vem de análise: Boruto poderá ser o vilão? – Feat Fred Oliveira.

TEORIZANDO…

Não é segredo para ninguém que o lendário Fred vive trazendo em seu canal, teorias e comentários que a priori muitos dizem ser loucura, mas muitos depois voltam atrás por que ele não errou. Recentemente, batendo papo pelo whatsapp com ele, Fred comentou sobre a possibilidade de o vilão não ser o Kawali como muitos esperam desde o capítulo 1 de Boruto, mas sim o próprio protagonista. O vídeo trouxe um misto de comentários:

“Mas destruir Konoha para acabar com a era shinobi é errado também…”

“Acho que está bem longe de acontecer isso, ex: a gente mesmo não tem nenhum poder e a gente não está em paz…”

“Tu fumou o chibaku tensei do Indra pra pensar nessa teoria !”

Fonte: Youtube Anime Whatever

E eu paro nesse último! rs, para que vocês mesmos entendam o motivo dos comentários, vai abrindo as abas abaixo com as falas do Fred Oliveira, que gentilmente cedeu pra Boruto Explorer resumir para vocês!

Teoria do Fred Oliveira

Ao voltarmos ao primeiro episódio de Boruto, vemos o próprio Boruto narrar que ” a era dos shinobi acabou”, e o cenário de Konoha devastado seguindo da promessa feita por Kawaki que “mandará o Boruto pra o mesmo local do Nadadaime”.

Boruto traz à tona que ainda é shinobi, e fica evidente que a briga é porque um quer acabar com a era e o outro quer manter, dando a entender que nesse contexto é o Kawaki o vilão iminente. Mas será que a era dos shinobi deixou algo bom para o mundo ninja?

A “Era Shinobi” foi um período que trouxe apenas grandes guerras, dor e sangue em si ao invés de uma alívio para as nações. Os poderes foram e são essenciais, mas não sobressaem o fato que as guerras em si só trouxeram tristeza, luto e revolta, como vemos por exemplo na história de Itachi, Nagato e tantos outros.

Em minha opinião, não vale a quantidade de guerras apenas por uma evolução tecnológica. As guerras começam apenas quando há uma intensidade e sede por poder, logo a era dos shinobi fez com que o mundo fosse uma guerra de poderes, não muito diferente de nossa realidade.

Kawaki no momento explicado no primeiro capítulo do anime, pode ser a pessoa racional do momento pelos seguintes motivos:

  • Shinobi é uma pessoa forte, um ninja poderoso capaz de usar seu chakra em batalhas e demonstrar poder, seja em ataque ou defesa;
  • Entendendo o contexto de shinobi, fica a indagação: de onde vem o chakra que compõe o poder dos shinobi para ser algo ‘benéfico’?
  • Se o chakra vem de algo destrutivo pela Kaguya e seu Clã Ootsutsuki, já explicado em Naruto parcialmente pelo Madara, e agora detalhado em Boruto por Isshiki, como acreditar que algo adquirido pelo fruto que é resultado de uma devastação planetária pode ser pacífico? Seguimos;
  • O alento, foi a traição de Kaguya e sua paixão que gerou seus filhos e consequentemente, os poderes e habilidades, ao ponto da divisão deste poder nas bestas pelo Hagoromo.

Seguindo esse raciocínio, Kawaki não é racional ao querer o fim da era shinobi? Continuar com tal era, é dar prosseguimento ao desejo dos Ootsutsuki e sua descendência, disseminando o poder que veio de algo destrutivo não encerrando esse ciclo.

Kawaki não era um shinobi, ele se tornou uma ferramenta. Ele vivenciou  e experimentou os preços altos pela obtenção de tal poder, desde o fato de seu pai abrir mão dele até para tudo que ele passou dentro da Kara. Ele sabe que, no fundo, os shinobis são a causa disso tudo, e é algo que Boruto não entende por ser justamente o ambiente em que ele nasceu, cresceu, e pelos poderes herdados por seus pais, descendentes diretos advindos de um dos maiores clãs existentes: Uzumaki e Hyuuga.

Talvez minha teoria seja errônea, talvez manter a paz seja o que o Boruto quer, contudo, o que pode ocorrer fazendo uma analogia ao Universo Marvel como ocorreu em X-Men, provavelmente uma “cura” assim como houve com o gene mutante recessivo, uma cura contra o chakra deva ocorrer e Boruto ser resistente ao ponto de, pelo discurso no jutsu, mostrar que tal poder se bem administrado trará paz, se houver o respeito, óbvio, mesmo entendendo os passos para se chegar nessa era, e também, levando em conta a posição de Naruto e o que ele representa.

Ou talvez, Naruto compreenda o ponto de vista de Kawaki, se volta contra a era shinobi e por essa razão é posto em outro lugar, assim como Kawaki diz neste primeiro episódio, mas não por ter morrido ou algo do gênero, mas para proteção longe dessa era, já que como sabemos, Naruto será uma pessoa menos poderosa nesse futuro pelo fato da Kurama não estar mais nele devido ao Modo Bárion, seu último estágio de poder combinado com ela.

Por esse ângulo, Boruto então é o vilão.

E aí, fez sentido os apontamentos do Fred para vocês? É de se pensar na possibilidade, se o Kishimoto racionalizar dentro dessa ótica, fugirá do padrão de trará algo completamente distinto. O fato, é que se essa hipótese de o Boruto poder ser o vilão em potencial acontecer, além do lendário Frederico Boca de Profeta Otaku trazer tal teoria que se confirmará, esta será uma reviravolta extrema no que se refere o ambiente no aspecto de animes e mangás.

Agora com esta perspectiva, relembre esse episódio 1 e faça suas conclusões com a teoria do Fred!

NOTA DO AUTOR(A)

As informações contidas nesta postagem são apenas para fins de informação geral. As informações são fornecidas pela Boruto Explorer e enquanto nos esforçamos para manter as informações atualizadas e corretas, não fazemos representações ou garantias de qualquer tipo, expressas ou implícitas, sobre a integridade, precisão, confiabilidade, adequação ou disponibilidade de a fins.